sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Rosa vermelha e "Naldecon"

"Prazer inesperado; sucesso imprevisto".

É verdade. Eu não pude prever; muito menos esperar. E o prazer... Esse foi mesmo desmedido.

Hoje, sem metáforas, sem entrelinhas, sem personagens. Dei férias à Alice e remédio para dormir à Olívia.

Eu aguardava uma amiga para prestar-lhe um favor. Quem apareceu foi mais que um amigo me presenteando com uma flor. Uma só. Única, vermelha, sem espinhos. Exatamente como eu me senti naquele momento: Única, apaixonada e sem defesas.

Pode ser que seja o efeito do descongestionante.

Ah... Queria ficar gripada pelo menos uma vez por mês!




Por Elga Arantes, 2008.

12 comentários:

DJ disse...

Ahhh Adorei!
Bom saber! Dor de barriga de brigadeiro é a melhor do mundo! Se tiver rosa vermelha junto então!!
O Naldecon passa até despercebido!!
Prazer em estar aqui, em você ter estado lá, em ter contribuido com cor e sabor também no seu dia!
Beijos.

sblogonoff café disse...

Ai, ai, ficar gripada assim é "mara"!!! ;I

Pássaro Ermo disse...

acho q preciso de naldecon.. snif... dias tristes.. mas seus textos me alegram ... adorei, tambem quero ser rosa vermelha e sem espinhos... deve ser tao bom...


Bjus...

Biana França disse...

Nem me fale nessas coisas...não estou indo ao trabalho e mal levanto da cama por causa de uma gripe maldita, kkk.
Bjus.

Bel disse...

O inesperado... Bem-dito seja!
Fiquei com vontade de saber o início de tudo!!
Beijo, Bel.

Geraldo disse...

Elga,

Por onde vc anda?
Precisamos conversar...

Sheyla disse...

Elga,
No texto "Para congelar o passado e adoçar o porvir", acho que viajei de vez. Mas a beleza das palavras, da arte em geral é isso, né? Outros olhares e sentimentos.
No passado não muito distante, tive alguns encontros não tão encontros. Talvez atrações e carências que seriam descartáveis.
Viagens à parte, no texto "Artigo V; Parágrafo IV (CF/88)", penso que todos nós em vários momentos caímos na teia da vaidade. E como está em Eclesiastes: "Vaidade de vaidades, diz o pregador, vaidade de vaidades! Tudo é vaidade".
E hoje leio sobre seu presente-flor!
Hum...
Muito bom mesmo!!! Se puder contar mais detalhes!!!
Bjs

Elga Arantes disse...

Não teve início ainda, não. Mas, tenho pensado já em um final para isso. Talvez, final provisório para um ínicio definitivo, rs. Como diria a Michele: "Para que simplificar, se eu posso complicar"? Adorei... Bom, no apanhado, acho que era efeito do Naldecon, mesmo, vcs acreditam. Mas, de toda forma foi bom. E nem venham com: "Que pena", ou coisas do gênero. Não tem nada de ruim nessa história. Foi uma boa alegria momentânea.

Sheyla,

Não acho que vc viajou, não! Pelo contrário.

Ge,

Estou aqui, uê!

Karen disse...

rss...amo rosa vermelhas e tenho ótimas memorias do naldecon. gente eu não˜quero nada mais complicado, agora simplifico tudo!

saudades de todas.

Silva disse...

Elga,

Desencontros ainda acontecem pois o caminho ainda não está tão claro como deveria mas pela sintonia, carinho e desejo que respiro só em pensar em você me pego sempre sonhando acordado com um início definitivo.

E quem sabe, bem mais próximo do que imagino... se você vier pro que der e vier... comigo.

bjs... Você tem o poder de me fazer sentir um cara especial.

Silva

Bel disse...

Ai... que inesperado isso tudo! Sim, porque parece ser tudo isso.
Eu daqui acompanho e já torço para o que for pra ser!
Um beijo, Bel.

Ju Brotas disse...

Namorando, hein???