quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Um parêntese de ponto e vírgula para você

Beijo roubado com o carro em movimento; ser jogada à força na braquiara; aprender a gostar de "dormir abraçadinho"; namoro debaixo do chuveiro do banheiro do meu quarto; strogonoff de filé; banho de rio em noite de lua cheia; estudar juntos; fazer almoço enquanto você estuda; arrumar meu armário enquanto você estuda; não fazer nada enquanto você estuda; tomar cerveja pelo nariz; fazer compra de supermercado; ir com você nas peladas; torcer por você nos campeonatos; ter medo de falar que ama; beijar sua boca; dormir dentro do carro, no sol de meio dia, esperando você tomar a saideira; ficar triste por fazer você triste; cuidar da sua ressaca; "não" ver DVD comendo pipoca; ninar você com cafuné; brigar pra ver quem dirige da próxima vez; me surpreender com seu romantismo; achar graça do seu ciúme sem fundamento; ver a Mel brincar com você; dormir de conchinha em noites frias; dormir de conchinha em noites quentes; sair de uma festa, amanhecendo, e ir tomar a saideira num boteco às nove da manhã; ter sensações inéditas na cama; rir muito com você; acordar com você no meu colo, olhar pra frente e ver a porteira de casa fechada...; por falar em porteira, quadriciclos e afins...; almoçar sem fome só pra ver se você come um pouquinho, também; mergulhar nos seus olhos verdes; conjecturar o futuro; perceber sua timidez pra falar que ama; admirar sua responsabilidade profissional; admirar sua honestidade; admirar seu corpo nu; ser chamada de Marrequinha, dona Marreca e derivados; odiar sua resistência em dizer não (só para os outros); escolher o nome dos filhos que teremos; me alegrar com mais uma flor presenteada - de verdade, de papel ou de bombom; comer o ovo frito que você faz; brigar com você por ter tomado toda minha água de madrugada; reformular verdades por você; chamar você de Tuco; ouvir você me chamar de Tuca; arrumar um tanque “filé” pro Flexinha; receber seu carinho; aprender, com seu orgulho, que o orgulho é uma nuvem negra no coração da gente; ser menos orgulhosa; não ser nada orgulhosa; nem lembrar o que é orgulho; publicar uma lista de coisas, só pra ver se valeu a pena todo o esforço de uma noite!!!

Por Elga Arantes, 2010.

5 comentários:

Eduardo Lara Resende disse...

Ótima declaração de amor, Elga! Para ler e guardar.
Abraço grande.

Marcos Satoru Kawanami disse...

isso só pode ser compreendido por quem sabe ler com o terceiro olho.

fechado, claro.


Só o amor phode tudo na vida,
O amor é uma fornicação.
Sem o amor a xoxota é preterida...
Porra, amor, eu te fiz esta canção!


=D
Marcos

Daniel Savio disse...

Pelo jeito, não vai ser mais apenas uma noite que vocês vão se encontrar...

Fique com Deus, menina Elga Arantes.
Um abraço.

Elga Arantes disse...

Vc disse que existe uma linha tênue entre a humildade e a humilhação. Eu te digo: mais tênue é a linha entre o amor próprio e o amor alheio. Repito para mim mesmo, todo dia de manhã.

Nanda disse...

Adorei demais o seu blog moça...
Demais!