sábado, 12 de agosto de 2017

Tá acompanhando ?


"Textão" é texto grande ? Ou chato ? Ou chato e grande ? Ou prolixo e entediante?  Ou o que se autopromove ? Ou todas as alternativas anteriores?

Em princípio achei que não fosse escrever textão - seja lá o que isso signifique, agora não sei de mais nada. Mesmo porque eu sou apenas um instrumento dos meus devaneios. Mentira, sou nada. Até posso ser, mas hoje quero não.. E é disso que estou falando. Tentando falar. Hoje não quero texto psedofilosófico ou pretensioso. Não queria editar pensamentos e nem normatizar sensações. Mas se a idéia é  falar dos meus quarenta anos - isso seria um novo parágrafo?  E essa pergunta nem foi metafórica, pois estou certa de que escrevo um novo ciclo na minha vida. Tá acompanhando ?

(Mereceu um novo parágrafo ) Na verdade sempre é. Sempre que se faz essa reticência nos escritos da vida da gente ... (ou um parêntese, como esse, ou este aqui, literalmente gráfico) - tá acompanhando ? Oh God,  é  muita intertextualidade para pouca meta. Sempre que a gente para para pensar se está entrando numa nova fase,  é porque já "restatou". No meu caso, quem deu a dica foram as lentes: antes um luxo, agora necessidade. Minha visão de curta distância entrou em  recesso comigo e não retornou. Irônico, não ? Visão boa minha agora é  só a de longa distância. Logo agora que identifiquei a parte boa de fazer quarenta que é tentar entender que não posso controlar tudo o que tem por vir. Visão de longa distância pra que, então, geeente ? Gurinha mesmo estou provando desse veneno (será ?). Programei um filminho aqui e os primeiros 10 minutos me estimularam a sonambular acordada. Atendi ao chamado ( Não suponha isso. Essa linha de filme nem é  minha praia. A deixa aqui foi outra, mas não quero dar spoiler). Eis me aqui. Porque nas minhas horas de ócio faço o que tenho vontade. Não sofro mais pensando como eu era animada ( estou na área, Samia  😭). Pra ser bem franca, tento não sofrer. Tá acompanhando ?

Li outro dia que os cientistas têm reconhecido as mesmas sinapses para relacionamentos presenciais e virtuais. Junte - se a isso a informação da minha terapeuta que disse que sou romântica sim (eu negava, aliás, nego veementeme) e que o que não sou é  carente. Sentencio resoluta: não quero um namorado, quero companhia. Se for virtual, então,  que seja. Sou nostálgica,mas não idiota. Posso até não conseguir, mas, ao menos, tento me adaptar. Aos novos tempos, aos novos cremes, à nova idade - antagônico, não ? Acompanhou ?
A saudade é  da saudade. Não de alguém. Sempre fui mesmo minha própria referência  pras coisas etéreas.

Semanticamente, textão. Mas como a beleza na minha idade, o conteúdo do texto ficou meio que discussão política  em boteco no final de noite: sem empirismo nenhum. Porque dizem que a beleza é  intuitiva. ( tá acompanhando ?) "A beleza interior!". Balela ! Nada como o viço da pele. A juventude é  linda !

"Não troco minha vida aos 40 pela que eu tinha aos 20 e poucos"  ( ahã, tá! ). "Ahã, tá ",  pra mim, viu ? Antes que venha algum pos-mod de plantão polemizar meu divã eletrônico.

No confessionário eu diria do sorriso sarcástico que ensaio quando leio textos que padecem na idade balzaquiana. Ei ! Psiu! (Não) Desce daí. Aí é  o cume. Olha que vista ! Não perde o momento olhando a descida que te espera. Contempla a paisagem. É  a mais linda  de todas. Maturidade e independência na medida certa. Metabolismo ainda não é  inversamente proporcional, apesar de desacelerado.  Tá acompanhando ? Que bom pra você,  porque eu já me perdi no título. Do texto. Do filme. Da idade (a da loba ).

Falando nisso, deixe eu voltar a trama agora que lá libertei meus demônios  e posso agora encarar o coelho de 2 metros que prevê o apocalipse.

O fim do mundo não chega aos 40, concluo.

Nenhum comentário: