quinta-feira, 19 de novembro de 2009

"Deixa eu falar!"

-Alô!

-Por favor, Edu, não desliga! Eu preciso falar. Eu sei que foi horrível, que pisei na bola, mas eu só estou pedindo que me ouça...

-Eu...

-Não, não, não... por favor, não! Eu sei que você está trabalhando agora, que você vai pedir que eu ligue em outro momento, que a gente se encontre mais tarde, mas sei que depois você não irá a encontro nenhum ou, pior, nem vai mais atender meus telefonemas.

-Calma, eu quero te dizer...

-Não! Não, pelo amor de Deus, não! Não me venha com essa conversinha mole, tentando me fazer acreditar que é melhor do que eu. Não tenha pena de mim. Mesmo porque, se subi no balcão daquele bar e fiz aquele strip, foi para chamar sua atenção. Foi a única maneira que encontrei de fazer com que você olhasse pra mim. Mas, no final, já não conseguia mais parar. Eu tinha bebido demais, além do que, todos aqueles homens me olhando, assoviando, me desejando... Mas eu via você, meu amor, juro!

-Olha, é melhor você...

-Eu sei... eu sei... é melhor que eu procure ajuda, não é isso que você ia dizer? Que eu fui uma louca, descontrolada. Que não é a primeira vez que uma coisa nesse nível acontece. Sei disso tudo. Mas queria que você entendesse que dessa vez eu vou procurar ajuda profissional, sim. Apesar de ter certeza de que não sou alcoólatra, quero provar pra você que não sou uma pessoa inflexível, como você disse. É bom mesmo que você ouça de um profissional que não sou nenhuma compulsiva sexual, ou dependente química. Na verdade, meu amor, só dependo mesmo de você para viver.

-Se você parasse...

-De beber? Eu paro! Eu faço o que você quiser, só não me abandone, não desista de mim. Não vou conseguir ficar sem o cheiro do seu corpo, seu suor molhando meu colo, sem seu beijo sussurrado. Preciso sentir você em mim, quero que me machuque, que deixe em mim suas marcas, me mostre que eu tenho dono. Quero você de qualquer jeito, em qualquer lugar...Faça comigo o que quiser!

- ...

-Alô... você ainda está aí? Está me ouvindo?

-Sim...

-Agora pode falar o que quiser.

-Desde o começo eu estou tentando dizer que eu não sou o Edu, que você ligou errado. Mas, agora, começo a acreditar que foi uma ligação providencial. Se você quiser posso ser o Edu, ou quem você quiser, princesa...

-(Tum, tum, tum...)

Por Elga Arantes, 2009.

Ilustração de Galvão em www.vidabesta.com

16 comentários:

Samia disse...

Previsível demais!
Nota: 2,3

Marcelo Mendonça disse...

parece bolero

sblogonoff café disse...

Rsrsrs!! A Samia é contundente!!
Eu até podia prever o final, na verdade, cheguei a imaginar, mas mesmo assim ri!!
Mesmo assim Adoro seus textos!! Só pra variar o monte que já te odiei!!!
Beijoos!

sblogonoff café disse...

Não é contundente que eu queria expressar...
Era incisiva. Isso Samia!!! rsrsr

Achei engraçado o dia em que ela te chamou de estranha!!hehehe

Você é estranha, Marcie!

Bel disse...

Adorável. Querida e mais que adorável,

Respondi teu comentário lá no meu cantinho. Passa lá? Fiquei com uma dúvida antiga ...

Saudades, tuas...

Carinho ...

Sobre teu texto novo: vejo tanta realidade nele. Vejo-o ... vejo-te corajosa em expôr as fraquezas tão francamente. Sei que é um conto ... sei que vem de muitos lugares, mas sei também, que o pior lugar é dentro da gente. Esse embaraço descrito é areia movediça. Essas palavras antecedendo toda e qualquer argumentação é medo ... do mais feroz. Conheço bem essas antecedências ... essas palavras ditas antes (pelo outro ou outra) pra não doer mais do que já dói. Ui!
Sempre vejo belezas em ti ... mesmo que a poesia abra espaço para um certo deboche.

Muitos beijos,
Sininho

Fabrício Romano disse...

Já fiz algo semelhante a ele, rs.

Samia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Samia disse...

hahahha
Pois é, Michelle...esses meus "deboches" são coisas de irmã mesmo. Nós somos assim uma com a outra e ambas sabemos que as críticas sinceras são a maneira que encontramos de contribuir para o crescimento da outra (ou só pra implicar mesmo). E acredite, ela é muito mais cruel comigo!
Agora, ninguém mandou ela criar um lugar público pra falar o que quer, né? Eu não resisto e fico aqui só esperando ela me dizer: “Oh, sua regaçada, que comentário cretino foi aquele no blog?” Acho que é por isso que ela vive insistindo tanto pra que eu crie um blog pra mim tbm. Será sede de vingança? Murruahahahaha!!!

Irmã mais velha já é mandona, imagine avaliando algo que ela faz tão bem... neeeeimm

PS: Leio sempre os seus textos e acho você o máximo por eles...assim como amo os da minha irmã (tirando esse, claro) =]

Ah! E Bel, é deboche saudável ta? Como eu disse, eu também acho mirmã uma ótima escritora e às vezes eu venho aqui só pra descontrair o ambiente.

Marcos Satoru Kawanami disse...

legal, mó doidera.


o.O
marcos

Anônimo disse...

Parece bolero...sincero...nossos versos são banais...

Fred Matos disse...

Previsível, sim, mas não acho que um texto para ser bom tenha que ser imprevisível. Apesar de previsível, gostei.
Beijos

Elga Arantes disse...

Desculpe, pessoas, mas eu sou previsível, rsrsrs...

Bj, bj, bj.

Noé disse...

Passei para dar um Oi!

sblogonoff café disse...

Ah, pára com a bobagem.
Você não é previsível, pelo menos, digo em relação aos textos!
Nós somos de áries, temos um chifre enrolado, é previsível que esperem explosões nossas. Mas às vezes surpreendemos com fogos de artifícios silenciosos ou passos de ballet!!

Samia!!
Irmã serve pra isso.
Irmãos podem ser sinalizadores!
Nem todo mundo pode ser tão sincero nessa vida, mas é bom ter um sinal. Meu irmão é tão cáustico que nem comenta no meu blog, mas quando ele vai lá, é pra sinalizar algo que não via!

A vida é bela e cheia de picpocas coloridas!!

Karen disse...

sensacional..hahahaha
só não gostei do nome :P

Bruno disse...

Muito se engana quem pensa que texto bom tem que ser imprevisível. Existem histórias que a gente lê porque quer saber o final, e existem histórias que a gente lê pelo prazer da boa escrita. Quem diz uma coisa dessas não entende nem de ler nem de escrever. :P

Se bem que eu fiz esse discurso todo porque fiquei bravo com a Samia, mas eu não achei previsível! Pra mim que o cara era o cara mesmo e ia dizer outra coisa. Gostei!

:)