domingo, 24 de agosto de 2008

Exatamente, assim:




Metade
(Oswaldo Montenegro)


Que a força do medo que tenho
não me impeça de ver o que anseio
que a morte de tudo em que acredito
não me tape os ouvidos e a boca
porque metade de mim é o que eu grito
mas a outra metade é silêncio.

Que a música que ouço ao longe
seja linda ainda que tristeza
que a mulher que amo seja pra sempre amada
mesmo que distante
porque metade de mim é partida
mas a outra metade é saudade.

Que as palavras que eu falo
não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
apenas respeitadas como a única coisa
que resta a um homem inundado de sentimentos
porque metade de mim é o que ouço
mas a outra metade é o que calo.

Que essa minha vontade de ir embora
se transforme na calma e na paz que eu mereço
e que essa tensão que me corrói por dentro
seja um dia recompensada
porque metade de mim é o que penso
mas a outra metade é um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste
e que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
que o espelho reflita em meu rosto num doce sorriso
que eu me lembro ter dado na infância
porque metade de mim é a lembrança do que fui
a outra metade não sei.

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
pra me fazer aquietar o espírito
e que o teu silêncio me fale cada vez mais
porque metade de mim é abrigo
mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta
mesmo que ela não saiba e que ninguém a tente complicar
porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
porque metade de mim é platéia
e a outra metade é canção.

E que a minha loucura seja perdoada
porque metade de mim é amor
e a outra metade também.

***

A grande diferença entre o impressívo e a genialidade:
fazer com que as dores, os amores e todas as urgências do espírito sejam explanadas de forma extraordinariamente precisa.

7 comentários:

Karen disse...

Oi coração,
Nnao conhecia esta música, na verdade não conheço praticamente nada de Oswaldo Montenegro. Letra lindíssima...
Metade de mim é amor, e a outra metade também...

Eu tb!

Estou esperando seu email tá?
bjos

Sheyla disse...

Oswaldo tem letras belíssimas como essa.
Em relação ao que vc escreveu, há o seguinte: tem algumas criaturas que não entendem/sentem quase nada. Por mais que a forma seja genialmente precisa.
Bjs

Alê disse...

Agora eu entendi, bonita mesmo ,bjão do Alê.

sblogonoff café disse...

Ei!
Gosto muito de Oswaldo Montenegro. No mês passado ele se apresentou aqui, em Jacaraípe e foi fantástico. Ele tem uma coisa muito linda com sua ex-mulher, Madalena. É um amor que transcende e torna até os shows mais emocionantes. Ele está agora com a Paloma Duarte, mas não deixa de declarar em palco seu amor por Madalena. Ela é produtora, arranjadora e participa também de algumas letras, além de se apresentar com a banda que o acompanha.
Eu não sei se conseguiria estar no lugar de Paloma Duarte!

Esse poema, Metade, é realmente um momento muito lindo de inspiração.
Mas será que há formas precisas de explanar coisas tão inexatas e desmedidas?

Acho que não é a força. É o toque.
Se eu for tocada, é porque houve mensagem. E nisso, vocês, companheiras de blog, são mestras!

Sopro de Eves!

Karen disse...

Oi, estou preocupada com vc, espero que esteja tudo em ordem. Precisamos combinar minha ida, pensei em sair daqui na sexta de manhã, o que acha?

bjs

Charles disse...

Isso é lindo!!!

Samia disse...

Irmã,
vou vomitar...