quinta-feira, 24 de julho de 2008

Efeito borboleta (s) no estômago


Quem citou pela primeira vez “borboletas no estômago” foi muito feliz na metáfora.

Que poderia ser mais plenamente fiel às sensações que temos em certas situações e expectativas?

Que outro inseto poderia ser mais delicado, de singular leveza e seria, ao mesmo tempo, capaz de encantar ao bater suas hábeis asinhas, fazendo os tais serezinhos coloridos pairarem no ar?

Qual outro órgão em nosso corpo poderia ser mais sensível a emoções intensas que o estômago? A raiva, os êxtases, os medos que sentimos refletem mesmo é lá. O coração é emblemático, o estômago, sintomático.

Já fiquei tão ansiosa que vomitei, já fiquei tão triste que vomitei, já fiquei tão enojada que vomitei.

É o estômago quem se recusa a digerir certos “sapos”. É ele quem não admite processar certas verdades postas “goela adentro”. É ele quem rejeita certos corpos estranhos - e alguns são tão estranhos!

Se fechar os olhos, posso sentir as frágeis e débeis asinhas, roçar quase que imperceptivelmente as paredes daquele órgão, num afago sôfrego.


Sinto algumas borboletas no estômago quando penso no desejo de ter um filho; nas escolhas profissionais que preciso fazer; na imprecisão do futuro.

Sinto muitas borboletas no estômago quando penso nele. No outro, nem tanto. Para o Outro, as possibilidades são reais, para Ele, não mais.

Fico com o estômago. Vão-se as borboletas...

Mas se lembro daquele sorriso cheio de dentes... Sinto o bater da asa de uma única borboleta, o que já provoca um tufão em meu estômago. “Teoria do Caos”. “Efeito borboleta”, no estômago.

Dentes que mordiscam meu pescoço e devoram meu juízo. Mais borboletas... Sorriso que se oferece para o improvável, para a insensatez. Sorriso largo que aplaca brios, desguarnece empáfias. Convida – me à insanidade. Milhares delas! Elas voltaram, aos montes...

Quintana que me perdoe, mas foi espontâneo, não corri atrás delas. E, apesar de faltar alguns cuidados com meu jardim, fico com as borboletas.

Será que elas ficarão?

Preciso cultivar tulipas. Adoro tulipas!

Por Elga Arantes, 2008.


12 comentários:

Samia disse...

Amei!
:)
Pq eu não consigo ouvir as músicas?

Karen disse...

Mto bem colocado! Para variar mais um texto perfeito, tanto nas sensações de borboleta no estômago quanto na digestão do mesmo...
Será que é possível sentir sempre as borboletas em situações boas ou acontecem nas não tão boas??
Nese momento estou sentindo algo em meu estómago, mas não se parecem muito com borboletas, parecem-se mais com sapos!
QQ dia destes quero te convidar para escrever um texto para o meu blog :)
Já vai pensando heim!
bjs

Fernanda Matos disse...

Lindo texto ...minha amiga
sensações e palavras subentendidas...
Como borboletas no estômago.
Beijos...

Rodox disse...

Belíssimo... Adoro finais sutis e adoro Tulipas. Espero que as borboletas ainda te façam regurgitar inspirações. A lagarta esta saindo do casulo, se é que já não voa perdida em algum jardim. No mais, continuo adorando Tulipas.

sblogonoff café disse...

Eu falei sobre o estômago em um post, http://umanovelaimaginaria.blogspot.com/2008_06_01_archive.html

É a mesma sensação que tenho. E o caos gera efeitos extraordinários, que para os mais incautos seria difícil até associá-los à própria causa!!
Cuidado com os sorrisos que se oferecem à insensatez, contudo, se são capazes de aplacarem os brios, dissolva-se neles sem racionalizar! Além dos sorrisos, sempre há um céu brilhante, e se for na Holanda, um campo cheio de tulipas!

"Avôa, barbuleta"

sblogonoff café disse...

Menina, ainda vou retornar e ler os posts abaixo. Minha vida agora tá o caos das práticas!Rs
E o tempo só me devorando. Uma parte do que sobra escorre pelo ralo. A outra parte vem ler os blogs!

Abraços!

Fernanda Matos disse...

Lindo minha amiga cor de mel...
E Maria José...existe...

Elga Arantes disse...

Ai, Karen, como vc sabe deixar a gente bem, rs. Eu escrever no seu blog? Seria muuuita honra. Já vou até ficar sem dormir para pensar. Mas para falar a verdade, não sei se daria conta. Mas preciso dizer que vou querer a retribuição na mesma moeda, ok?

Rodox, vc tb adora Tulipas? Eu amooo...é a flor que mais gosto. Depois vem os girassóis. Aqui, achei uma foto com vc aqui, antiiiga, da formatura do Gustavo, depois vou te mandar. A gente tava bonito menino, tem que ver.

Michelle, sempre foi clara a sensação das minhas sensações refletidas em meu estômago. Não é à toa que algumas pessoas têm gastrite nervosa, não é? Úlcera e tal.Sobre seu texto, quando entrei no link, lembrei que já havia lido há mais tempo. Antes de contatar vc, já era leitura assídua de seu blog, rs. Mas foi bom ler de novo. É um texto muito forte, muito real.

Maria José não tem fim mesmo. Ainda bem não é, Nanda. Se não fosse assim, não exitiria a minha emoção de ler um post inteiro sobre mim em seu blog. Mesmo que com um gostinho de mel salpicado por pimenta de puxão de orelha.

Karen disse...

Olá!
Vim desejar um bom final de semana para você e para a Mel.

Claro que daria conta!!! Eu que não sei se estou a altura para escrever para você, seus textos são tão maravilhosos!!!
Mas vou começar um!! Vou pensar bastante!
bjs

Patrícia Ferraz disse...

Acho que o problema das borboletas ou a nossa solução é que elas nunca ficam. Elas vêem e vão. Quando estão, ficamos preocupados, ansiosos, receosos. Quando vão, sentimos falta.

Nas últimas semanas, elas não me abandonam, especialmente quando entro a pensar no futuro profissional, que interfere com garras, unhas, dentes e ferraduras no meu estômago, nas minahs vísceras todas.

Eu sinto demais. Você também sente, Elga. Sucessos imprevisívis. Este, nem tanto.

Já posso dizer que gosto de vc. Gosto do que vc me mostra aqui. E ontem, que estive em Varginha de novo, queria ter uma banda larga dentro do ônibus para ler você e outros "grandes escritores contemporâneos". Só pra passar o tempo.

Karen disse...

O nariz estava ficando igual ao meu, acho que ficaria tão lindinho :D ela é toda linda!! Hahahaha....somos babonas né com nossas crias!

Sou de SP sim, quando vier para cá pelo amor de Deus me ligue! Quero mto conhecê-la pessoalmente, está até convidada para ficar aqui em casa.

Essas paixões são extremamente boas, mesmo quando não as vivemos plenamente, mas só o fato de sentí-las é uma benção. Eu estou tentando fechar meu lado sentimental para balanço mas sou mto coração para fazer isso, e uma pessoa em especial merece todo o meu coração. Agora que exorcizei totalmente o fantasma que havia em mim posso viver isso. Espero que ele ainda me queira...

grande beijo

Elga Arantes disse...

Ai, ai...

Como não gostar de pessoas como vcs duas? Sensíveis e tão atenciosas!

Quem me dera estar altura de tais elogios. "Grandes escritores contemporâneos" foi um belo exagero. Ainda mais de alguém que escreve o que, e como vc escreve! Fiquei feliz mesmo em ouvir que gosta de mim. É isso que realmente me importa.

Obrigada por tudo. Vcs não sabem, mas em tempos difíceis, vcs têm me feito muito bem.

Ah! A Michelle tb... muito!

E eu, sempre tão preconceituosa com o mundo virtual, tomo mais essas porradas (e sem luva de pelicas)da vida.

TPM é dificil, não é, meninas??? rs.